15 de dez de 2007


Quando amanhece penso:

Encontro-te no vento
virás abraçar-me como os ramos da árvore
e chegaremos ao coração da cidade

Ao meio-dia sei:
A distância do meu corpo ao teu grito
corresponde à do teu sopro ao meu ouvido
eis a anatomia do silêncio

De tarde fico exausta:
Circulo pelas ruas e roço-me nas praças

À noite adormecemos:
Será que te lembras? será que me lembro?

Amanhã alegro-me de novo:
Imagino a floresta, parto o espelho
e recomeço a ir ao teu encontro.

Teresa Balté

3 comentários:

Putty Cat disse...

Gostei deste teu canto de contos.

Por isso mesmo, linkei-te!

Beijos e Feliz NATAL!

PCat

Putty Cat disse...

Agora podes encontrar-me aqui:

http://oladobdalua.blogspot.com/

Beijo

directriz disse...

...e pode fazer o favor de recomeçar com alegria, todos os dias, sem partir o espelho, pode?
é que fica bem mais fácil toda a tua procura...


brilhante!