14 de set de 2008

Seu Pensamento
























A uma hora dessas
por onde estará seu pensamento
Terá os pés na terra
ou vento no cabelo?

A uma hora dessas
por onde andará seu pensamento
Dará voltas na Terra
ou no estacionamento?

Onde longe Londres Lisboa
ou na minha cama?

A uma hora dessas
por onde vagará seu pensamento
Terá os pés na areia
em pleno apartamento?

A uma hora dessas
por onde passará seu pensamento
Por dentro da minha saia
ou pelo firmamento?

Onde longe Leme Luanda
ou na minha cama?

Adriana Calcanhotto

12 de set de 2008


O rio atravessou a tua face
e não levou com ele
essa doçura triste que exaspera
os homens solitários.

Não sei se alguém te teve nas estrelas,
sei que o merecerias
se ter-te assim pudesse ser real.


(N.D)


Eternamente para ti...

9 de set de 2008

Uma Paixão



Visita-me enquanto não envelheço
toma estas palavras cheias de medo e surpreende-me
com teu rosto de Modigliani suicidado

tenho uma varanda ampla cheia de malvas
e o marulhar das noites povoadas de peixes voadores
vem

ver-me antes que a bruma contamine os alicerces
as pedras nacaradas deste vulcão a lava do desejo
subindo à boca sulfurosa dos espelhos
vem

antes que desperte em mim o grito
de alguma terna Jeanne Hébuterne a paixão
derrama-se quando tua ausência se prende às veias
prontas a esvaziarem-se do rubro ouro
perco-te no sono das marítimas paisagens
estas feridas de barro e quartzo
os olhos escancarados para a infindável água
vem

com teu sabor de açúcar queimado em redor da noite
sonhar perto do coração que não sabe como tocar-te


Al Berto

5 de set de 2008



O tempo, subitamente solto
pelas ruas e pelos dias
como a onda de uma tempestade
a arrastar o mundo,
mostra-me o quanto te amei
antes de te conhecer

Eram os teus olhos,
labirintos de água,
terra,
fogo,
ar,
que eu amava
quando imaginava que amava.

Era a tua
a tua voz que dizia
as palavras da vida.

Era o teu rosto,
era a tua pele.

Antes de te conhecer
existias nas árvores
e nos montes e nas nuvens
que olhava ao fim da tarde,
muito longe de mim.

Dentro de mim,
JÁ eras tu a claridade.


José Luís Peixoto
(in A Criança em Ruínas)

28 de ago de 2008

Teu nome mais secreto


Só eu sei teu nome mais secreto
Só eu penetro em tua noite escura
Cavo e extraio estrelas nuas
De tuas constelações cruas

Só meu sangue sabe tua seiva e senha
E irriga as margens cegas
De tuas elétricas ribeiras,
Sendas de tuas grutas ignotas

Não sei, não sei mais nada.
Só sei que canto de sede dos teus lábios
Não sei, não sei mais nada.


Adriana Calcanhotto/Waly Salomão

21 de ago de 2008

Amado



Como pode ser gostar de alguém
E esse tal alguém não ser seu
Fico desejando nós gastando o mar
Pôr-do-sol, postal, mais ninguém

Peço tanto a Deus
Para esquecer
Mas só de pedir me lembro
Minha linda flor
Meu jasmim será
Meus melhores beijos serão seus

Sinto que você é ligado a mim
Sempre que estou indo, volto atrás
Estou entregue a ponto de estar sempre só
Esperando um sim ou nunca mais

É tanta graça lá fora passa
O tempo sem você
Mas pode sim
Ser sim amado e tudo acontecer

Sinto absoluto o dom de existir,
Não há solidão, nem pena
Nessa doação, milagres do amor
Sinto uma extensão divina

É tanta graça lá fora passa
O tempo sem você
Mas pode sim
Ser sim amado e tudo acontecer
Quero dançar com você
Dançar com você
Quero dançar com você
Dançar com você

Vanessa Da Mata

20 de ago de 2008

Avesso



Deponho
suponho e
descrevo a
pulso
subindo
pela fímbria
do despido
porque nada
é verdade
se eu invento
o avesso daquilo
que é vestido...

Maria Teresa Horta

16 de ago de 2008

Veludo


"...Num ímpeto de seiva os arvoredos fartos,
Numa opulenta fúria as novidades todas,
Como uma universal celebração de bodas,
Amaram-se!..."

(Cesário Verde)



Desce mansamente
do meu telhado o entardecer
misterioso e belo felino
desce sem pressa
pressinto sua chegada
luz da lua refletida
em seus olhos
enigma
pantera negra
que fascina
embriaga
entrego-me as carícias
de suas garras e ao veludo
do seu corpo Junto ao meu
sussurros
sons de flautas luminosas
na noite escura...

13 de ago de 2008



É quando a chuva cai,
é quando olhado devagar
que brilha o corpo.
Para dizê-lo a boca
é muito pouco,
era preciso que também
as mãos vissem esse brilho,
dele fizessem
não só a música,
mas a casa.
Todas as palavras
falam desse lume,
sabem à pele
dessa luz molhada.

(Eugênio de Andrade)

11 de ago de 2008



Há perguntas a que só nós mesmos
podemos responder
E não existem respostas
certas ou erradas
Apenas respostas

Sabemos que assim é
quando ficamos calados
As perguntas à espera
de respostas

E nós à espera
de palavras que digam
o que não conseguimos dizer

(Luís Ene)

Por que eu sei
que nas tuas palavras
desinteressadas
fervilham chamas
de desejo
a tua boca não diz
o que eu sinto no teu silêncio
no som nervoso do teu sorriso
e quando surge um pequeno silêncio
nós dois sabemos
o que na verdade gostaríamos de dizer
desejo-te
amo-te
quero-te para sempre
tu sabes

23 de jul de 2008


"Não é o coração
mas esta carne
em seu rumor.

Não é o coração
mas teu silêncio
de intenso furor.

Não é o coração
mas as mãos
sem corpo, vazias.

Na grave melodia
de um instante
tu e eu
em desiquilíbrio
na infame
consistência
de um absoluto
obstáculo."

Ana Marques Gastão
(in Nocturnos)

19 de jul de 2008


"Despe-me
ou deixa
que eu me dispa
e depois veste-me
pouco a pouco
de carícias"


Luís Ene

7 de jul de 2008

"O sangue das vogais"



A palavra é uma estátua submersa,
um leopardo que estremece em escuros bosques,
uma anémona sobre uma cabeleira.
Por vezes é uma estrela
que projecta a sua sombra sobre um torso.

Ei-la sem destino no clamor da noite,
cega e nua, mas vibrante de desejo
como uma magnólia molhada.
Rápida é a boca que apenas aflora
os raios de uma outra luz.

Toco-lhe os subtis tornozelos,
os cabelos ardentes
e vejo uma água límpida
numa concha marinha.
É sempre um corpo amante e fugidio
que canta num mar musical
o sangue das vogais.

(António Ramos Rosa)

6 de jul de 2008

Edyta Gorniak- Whatever It Takes



"Now I know you'll always be there for me"


"Encostei-me a ti,
sabendo bem que eras somente onda.
Sabendo bem que eras nuvem,
depus a minha vida em ti.

Como sabia bem tudo isso,
e dei-me ao teu destino frágil,
fiquei sem poder chorar,
quando caí."

(Cecília Meirelles)

20 de jun de 2008



Imagino-te
No ritmo de um dança
como se fosses um acorde
sem fim.
Imagino-te ao meu lado
sem grades, sem armadura
recostado em meu peito
olhando para mim.
Eu sei, só assim existes,
entre o sonho e a imaginação
como folha de jornal
cavalgando o vento,
até cair...

14 de jun de 2008

Rosa de Sal


Não te amo como se fosses rosa de sal, topázio
ou flecha de cravos que propagam o fogo:
te amo como se amam certas coisas obscuras,
secretamente, entre a sombra e a alma.

Te amo como a planta que não floresce e leva
dentro de si, oculta, a luz daquelas flores,
e graças a teu amor vive escuro em meu corpo
o apertado aroma que ascendeu da terra.

Te amo sem saber como, nem quando, nem onde,
te amo diretamente sem problemas nem orgulho:
assim te amo porque não sei amar de outra maneira,

senão assim deste modo em que não sou nem és
tão perto que tua mão sobre meu peito é minha
tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho.

Pablo Neruda

3 de jun de 2008


E o meu desejo de ti
são lágrimas por dentro,
tão doídas e fundas
que se não fosse:

____ o tempo de viver;
____ e a janela ao meu lado

invadia de amor o teu reflexo
e em estilhaços de vidro
mergulhava em ti

Ana Luísa Amaral

28 de mai de 2008



Recordo-te a respirar ali
a casa no silêncio
o silêncio em ti
tu em mim
e depois
não me lembro de mais nada...

Sarah Adamopoulos

25 de mai de 2008




No brilho redondo
e jovem dos joelhos.

Na noite inclinada
de melancolia.

Procura.

Procura a maravilha.



Eugénio de Andrade

24 de mai de 2008



"Que o meu céu seria beber-te
se tu fosses água.
E todas as flores de nomes impronunciáveis,
plantadas algures em cidades imagiárias,
seriam a sombra dos dias
que me sacia a fome
de uma existência
onde sou carnal"

Paulo Ferreira

21 de mai de 2008

Andalusian Stallion, Apassionatta







(...)Para meu coração basta teu peito
para tua liberdade bastam minhas asas.
Desde minha boca chegará até o céu
o que estava dormindo sobre tua alma(...)

Neruda

18 de mai de 2008


Os teus olhos
exigindo
ser bebidos

Os teus ombros
reclamando
nenhum manto

Os teus seios
pressupondo
tantos pomos

O teu ventre
recolhendo
o relâmpago


(David Mourão Ferreira)

14 de mai de 2008



O SORRISO

Creio que foi o sorriso,
0 sorriso foi quem abriu a
porta.
Era um sorriso com
muita luz
lá dentro, apetecia
entrar nele, tirar a roupa,
ficar
nu dentro daquele
sorriso.
Correr, navegar, morrer
naquele sorriso.


(Eugênio de Andrade)

20 de abr de 2008

NA ORLA DO MAR


Na orla do mar,
no rumor do vento,
onde esteve a linha
pura do teu rosto
ou só pensamento
- e mora, secreto,
intenso, solar,
todo o meu desejo -
aí vou colher
a rosa e a palma.
Onde a pedra é flor,
onde o corpo é alma.


(Eugênio de Andrade)

Craig Armstrong- This Love

14 de abr de 2008

Sigur Ros - Untitled

Sigur Rós - Glósóli


Entre os teus lábios
é que a loucura acode,
desce à garganta,
invade a água.

No teu peito
é que o pólen do fogo
se junta à nascente,
alastra na sombra.

Nos teus flancos
é que a fonte começa
a ser rio de abelhas,
rumor de tigre.

Da cintura aos joelhos
é que a areia queima,
o sol é secreto,
cego o silêncio.

Deita-te comigo.
Ilumina meus vidros.
Entre lábios e lábios
toda a música é minha.


Eugênio de Andrade...

Eternamente para ti....sabes...

EMBRACE- FIREWORKS

DeepakChopra-Madonna-Bittersweet

Bïa- Los Hermanosny

Bïa-L' Horaire et le Temps

Bïa- Mon Amour

11 de abr de 2008


O azul, o azul rouco, o azul
sem cor, luz gémea da sede.
Acerca deste rigor
tenho uma palavra a dizer,
uma sílaba a salvar desta aridez, asa

ferida, o olhar arrastado
pela pedra
calcinada, húmido
ainda de ter pousado
à sombra de um nome,
o teu:
amor do mundo,

amor de nada.


Eugénio de Andrade

10 de abr de 2008

6 de abr de 2008

Tu sais, je vai t'aimer


Tu sais, je vai t'aimer
Même sans ta présence, je vais t'aimer
Même sans espérance, je vais t'aimer
Tous les jours de ma vie
Dans mes poèmes, je t'écrirai:
"C'est toi que j'aime, c'est toi que j'aimerai
Tous les jours de ma vie"
Tu sais, je vais pleurer
Quand tu t'éloigneras, je vais pleurer
Mais tu me reviendras et j'oublierai
La douleur de mes nuits
Tu sais, je souffrirai
A chaque instant d'attente, je souffrirai
Mais quand tu seras là, je renaîtrai
Tous les jours de ma vie


Nana Caymmi e Marcio Faraco
Composição: Tom Jobim / Vinícius de Moraes /
Versão: Georges Moustake

27 de mar de 2008


Amo devagar os amigos que são tristes

com cinco dedos de cada lado

Os amigos que enlouquecem

e estão sentados, fechando os olhos,

com livros atrás a arder

para toda a eternidade.

Não os chamo, e eles voltam-se profundamente

dentro do fogo.- Temos um talento doloroso

e obscuro.Construímos

um lugar de silêncio.De paixão.


Herberto Helder ( Poemacto-1961)




Deixa que eu te ame em silêncio
Não pergunte
não se explique
deixe que nossas línguas se toquem
e as bocas e a pele
falem seus líquidos desejos.

Deixa que eu te ame
sem palavras
a não ser aquelas
que na lembrança ficarão
pulsando para sempre
como se o amor e a vida
fosse um discurso
de impronunciáveis emoções

12 de mar de 2008


O meu amor tem lábios de silêncio
E voa como o vento
E abraça-me onde a solidão termina
O meu amor tem trinta mil cavalos
A galopar no peito
E um sorriso
Que nasce quando a seu lado eu me deito

O meu amor ensinou-me a chegar
Sedento de ternura
Sarou as minhas feridas
E pôs-me a salvo
para além da loucura.

O meu amor ensinou-me a partir
Nalguma noite triste
Mas antes, ensinou-me
A não esquecer que o meu amor existe.


Jorge Palma

28 de fev de 2008

15 de fev de 2008


"Um dia, quando a ternura for a única
regra da manhã, acordarei entre os teus braços.
A tua pele será talvez demasiado bela.
E a luz compreenderá a impossível compreensão do amor.
Um dia, quando a chuvasecar na memória,
quando o inverno fôr tão distante, quando o frio responder
devagar como a voz arrastada de um velho,
estarei contigo e cantarão pássaros no parapeito
da nossa janela.
Sim, cantarão pássaros, haverá flores,
mas nada disso será culpa minha,
porque eu acordarei nos teus braços
e nao direi nem uma palavra, nem
o princípio de uma palavra, para não
estragar a perfeição da felicidade"
in "a criança em ruínas" José Luís Peixoto

2 de fev de 2008

Teorema das cores....


...que iluminam esta manhã."
Algumas pessoas passam pela vida sem ver as cores do dia, para mim, está muito claro que o dia se funde através de uma multidão de matizes e entonações, a cada momento que passa.Uma só hora pode consistir em milhares de cores diferentes, amarelos , azuis borrifados de branco, verdes impossíveis, branco alvíssimo de nuvens de tons enevoados..."

Eu faço questão de ver as cores do dia quando nasce....quando a luz suave do sol desce sobre a cidade, suavemente até tomar conta de tudo, poderoso e inalcancável....O sol....amo o sol!

26 de jan de 2008


Era assim:

queres?
queres algo?
queres desejar?
desejas querer?
desejas-me?
desejas querer-me?
queres desejar-me?
queres querer-me?
queres que te deseje?
desejas que te queira?
queres que te queira?
quanto me queres?
quanto me desejas?

ah quanto te quero
quando te quero
quando me queres...

Ana Hatherly
"Um calculador de improbabilidades"

20 de jan de 2008


Ainda te falta
dizer isto: que nem tudo
o que veio
chegou por acaso. Que há
flores que de ti
dependem, que foste
tu que deixaste
algumas lâmpadas
acesas. Que há
na brancura
do papel alguns
sinais de tinta
indecifráveis. E
que esse
é apenas
um dos capítulos do livro
em que tudo
se lê e nada
está escrito.

Albano Martins
Escrito a Vermelho

17 de jan de 2008


"Inclina para mim os teus lábios
e que ao sair da minha boca
a minha alma volte a entrar dentro de ti.
"Denis Diderot

12 de jan de 2008

Como um livro



Folheei o teu corpo como um livro
à procura da tua alma.......................................
Albano Martins