30 de out de 2009
















Naquele quarto de hotel
vi morrer os minutos e as horas
juntei minhas mãos as tuas
prendi-te em mim
e ficamos ali
difusos
unidos
sem palavras
meu corpo cerzido ao teu
lá fora as sirenes latentes
o vento morno do fim de tarde
e a hora dolorosa da partida
marcada a ferro na minha
saudade futura
das pequenas coisas que fizemos juntos
a amarga certeza que
é demasiado tarde meu amor
não me pedirás para não partir
e como se não houvesse amanhã
sinto minha solidão
a deriva
no sentimento extremo do adeus
que vi nos teus olhos
deixaste-me ir mais uma vez meu amor
num vôo para a infinita saudade de ti
na dor fantasma da falta do
teu corpo junto ao meu

3 comentários:

Tatiane Trajano disse...

E mais uma vez me deixastes ir..
E agora me dói tanto as saudades de ti.




=**********

Baby disse...

"A amarga certeza que é demasiado tarde meu amor"...essa certeza que mora nos nossos corações e tanto nos faz doer.

Um beijninho.

Emanuel Ribeiro disse...

profundo....