22 de jan de 2010

Este Cais Vertical
















Vem escolher o encanto para que o mar nos respire
quando a calma sufoca
Vem prender esta visão de inquietante alegria no silêncio mais alto
para que seja farol na ponta de um desejo alado

Esquece o mar absurdo
os barcos de papel eternamente longe os olhos ancorados
os passos como pedras para os braços crescerem verticais
e os sonhos inautênticos
o mar das armaduras submersas por enquanto vem
içar as gaivotas para que as possas baixar quando quiseres
se um céu apenas negro for preciso

Vem dormir sobre mim com o peso das coisas arribadas
o peso de nascerem sem mastros as noites e ser ainda cedo
e ser sempre tão cedo ao pé do mar que os olhos nem repousam
nem as espadas se cumprem erectas na fímbria de água dos desejos

Vem dormir sobre mim ainda é esta a manhã
de quando o mar unificava as escarpas
e as mãos os cumes e os destinos os anseios e as vozes
e é tempo de enfrentar a distância das coisas aqui
onde as coisas não cabem mas todos os rumos se concentram


Carlos nogueira

18 de jan de 2010

Entre os teus lábios...

















Húmido de beijos e de lágrimas,
ardor da terra com sabor a mar,
o teu corpo perdia-se no meu.

(Vontade de ser barco ou de cantar.)


Eugênio de Andrade

12 de jan de 2010


























...tomou conta de mim!
Toda eu me sinto assim, nua
porque tardas em me fazer tua;
e o teu calor sabe a ausência e a dor...

E percorro, sem olhar, esse lugar...
e tenho medo de
reparar e ver...que não te sei
por te não reconhecer...
Só porque ousei
desnudar-me, assim, para ti, amor...

A.D

7 de jan de 2010

Intemporal




















Dás-me a tua mão e guias-me no escuro?
Contas-me uma história de encanto
Para que como criança
No teu colo me esconda
Na tua mão adormeça
Os fantasmas se afastem
E a escuridão não exista?

Acendes um sol para mim
Até amanhecer?


O tempo não para
mas o tempo do meu amor
por ti
não tem fim...

1 de jan de 2010


Aqui cantaste nua.
Aqui bebeste a planicie, a lua,
e ao vento deste os olhos a beber.
Aqui abandonaste as mãos
a tudo o que não chega a acontecer.


Aqui vieram bailar as estações
e com elas tu bailaste.
Aqui mordeste os seios por abrir,
fechaste o corpo à sede das searas
e no lume de ti própria te queimaste.


"Na varanda de Florbela" - Eugénio de Andrade