8 de mar de 2010














Um poema afinal não se escreve,
nem se desenha,
nem nada.
Um poema oferece-se,
como quem dá uma
flor-camuflada-entre-dos-dedos-de-uma-mão-que-acaricia,
mas com os lábios,
ou com o olhar,
todo desarrumado de sentires,
para nos extasiarmos na procurar dos sorrisos q
ue se soltam em cada viagem que nos transporta,
aos caminhos por onde ele andou antes de nós…

A.D

Nenhum comentário: