1 de jul de 2011

Armadilhas de um Sedutor





















Flores e um cartão.

Já sei até o que vem depois: Jantar, Cama.

Seria assim se a presa caísse na armadilha do sedutor.

O plano deve funcionar, recebo vários ramos de flores com cartões convidando para um jantar e elogiando minha beleza ou com um poeminha já batido.
Quando recebo as flores claro que sinto meu instinto de fêmea satisfeito, seduzi mais um, eles acham que me seduzem quando na verdade foi eu que escolhi por qual deles fazer de conta que me deixei seduzir.
Eu sei que todos usam a mesma tática. Eu me apenas me divirto com isso. Nenhum deles vai me conquistar assim. Não assim.

Mas Antonio chamou minha atenção, deve ter minha idade 20 e poucos anos. Magro, alto, cabelos pretos, olhos que eu não consegui decifrar, um olhar meio distante, talvez tenha sido isso, ele é diferente dos outros sempre tão seguros, sedutores, bonitões. Antonio parecia não me oferecer risco. Segura de que dominaria a situação toda aceitei o convite.

Jantamos num restaurante a beira mar, ele foi gentil e atencioso.
Na frente do meu prédio ele tentou me beijar, eu sorri falei uma bobagem qualquer e o beijei no rosto, quando estava com a porta aberta e certa de que estava livre senti a mão dele me puxando pela cintura de volta para dento do carro.
Me beijou a força. Até gostei. Afinal ele não teria mais que isso. Um beijo no pobre coitado. Nunca mais vai me ver mesmo.
Foi o que pensei.

Estava errada.
Ele é daqueles homens que seguem a mulher, que vive uma paixão platônica, as vêem perfeitas e belas e que passam a noite a pensar como fazer para conquistá-las. Senti que ele é capaz de tudo.

Flores e mais flores chegam todos os dias, meus colegas de trabalho já não estranham mais, eu enfeito a cozinha, dou as flores para a Dona Nita uma senhora que trabalha na cozinha.
A princípio eu só achava graça, pensava como um homem pode agir assim?
Não vê que não tenho interesse nele?
Não vê que o desprezo e que as flores não vão mudar o que sinto?
Mas as flores pararam de chegar. Agora só via aquela figura macambuzia vestido todo de preto, sentado num dos bancos da praça em frente a empresa em que trabalho. Ele me via sair para o almoço, voltar do almoço e a noite quando eu saía lá estava ele. Eu o cumprimentava e inventava uma desculpa qualquer para me livrar dele, aula de inglês, academia, compromisso com uma amiga e o deixava ali plantando. Desconsolado.

Estranhei quando ele sumiu, me senti aliviada.

Finalmente livre!
Queria ficar sozinha, não gostava de ninguém e não pretendia gostar.

Manhã de sábado acordei animada, Janeiro 08:00 da manhã o sol é um convite sedutor, parece que chama: Vem morena , vem para a praia vem....vem andar descalça na areia e balançar as ancas bronzeadas e brilhantes do bronzeador de óleo, vem? Vem entrar no mar e sair de lá como quem está numa passarela com seu bikini amarelo tão pequenino...Ah morena o dia de sol sem você não é o mesmo.

Acho graça dos pensamentos bobos , tomo um banho demorado e visto o tal bikini amarelo e um vestidinho leve e colorido por cima. O kit praia está pronto na bolsa de palha. E claro, os tamanquinhos brancos número 35.

Tudo pronto. Toca o telefone, minha amiga Sandra me apressando.
Vou até a janela para ver como está o tempo. Ah! Céu completamente azul. Amo!

Olho para baixo e vejo o Opala Preto de Antonio estacionado na rua bem em frente a minha janela. Dou um passo para trás não acreditando no que estou vendo.
-O que esse cara quer aqui? Tá maluco? Ah não! Vai começar tudo de novo!

Minutos depois o interfone toca, demoro a tomar a decisão entre atender ou não.
Não atendi.

Olho novamente para baixo, o carro continua lá e Antonio está fora do carro, enconstado. Não parece ter pressa alguma.

-Sandra, acho que não dá pra sair, tem um cara na frente do meu prédio, quer falar comigo, mas eu não quero, ele me assusta, está num Opala Preto. Estou com medo.

-Ai logo hoje? Se ele está na frente do prédio sai pela garagem.

-Não saio daqui. Vem me ajudar, vem me buscar amiga. Por favor?

-Eu vou buscar você? Não faz sentido. Espera mais um pouco que ele deve desistir e não atenda ao interfone.

Estou com medo. Já meio dia e ainda não consegui sair de casa. Meu corpo pede sol quente e a brisa com cheiro de mar. Sandra ligou e disse que vai me esperar na praia. Fico zangada.
Ligo para o porteiro e falo para não deixar ninguém subir sem falar comigo. Ele me diz que um rapaz esteve na portaria perguntando por mim e que ele havia falado que não sabia se eu estava em casa.
Desci o elevador e fui até a garagem, nas laterais tem aqueles tijolos furados de onde eu posso ver a rua. Ele continua lá. Quando a garagem abre para um carro sair eu aproveito e saio do prédio, mas numa velocidade incrível percebo que Antônio já está quase ali na saída da garagem. Volto para dentro a tempo da porta automática se fechar.

Agora ele já sabe que eu estou em casa, que estou fugindo dele. Vejo raiva nos olhos dele. Estou em pânico.
Ele ficou parado na saída da garagem. Nesse momento abre a porta do lado oposto, eu saio correndo em direção ao terminal urbano. Entro no ônibus que está de partida e vou para á frente junto ao motorista.

Ufa! Consegui!

O ônibus começa a sair do terminal e eu respiro cansada e aliviada, mas quando olho para trás vejo Antonio lá nos fundos do ônibus. Ele não se aproxima apenas me olha, um olhar fulminante.
Para minha surpresa ele desce no primeiro ponto de ônibus, mas não tira os olhos de mim.

Me sinto mal, estou ferindo alguém. Até quando farei isso?
O dia para mim não foi mais o mesmo. Aquele olhar. Não consigo parar de pensar nele.

Volto para casa, olho pela janela percebo que o Opala Preto ainda está lá, estacionado no mesmo lugar, vazio. Já é noite, ando inquieta, olho constantemente para o carro preto lá em baixo. Continua lá.

No Domingo acordo cedo e desço para caminhar um pouco, quando dobro a esquina da minha rua vejo que o Opala está cercado de gente ao redor e a polícia tentando ordenar o caos.

Me aproximo e não entendo o que está acontecendo. O carro continua vazio.
Um bilhete gerou o caos.
- Não posso viver SEM você.
Melhor NÃO viver sem você. Fique com o carro.

Meu nome e endereço abaixo.

O corpo dele nunca foi e encontrado. Os policiais acreditam que com a maré o corpo pode aparecer muito longe dali ou nunca aparecer. Saio dali e vou caminhando sem saber bem para onde, ouvi o policial falar que ele suicidou-se na noite anterior.

O que me fez ser assim tão fria?
Como posso ter brincado com o sentimento dele?
Eu não sei amar, eu só sei ferir. O que tenho que faz os homens se aproximarem e se deixarem ser usados e rejeitados como se fossem nada?  Será a roupa que uso, será o jeito que eu ando?

Mudei de apartamento, troquei meu telefone. Mas o que mudou mesmo foi algo dentro de mim.
Passei a sentir uma solidão tremenda e a gostar da solidão.

Volto ao trabalho, alguns meses passam sem nada de novo.
O entegador chega e me entrega um ramo de flores brancas orvalhadas. Pensei:
-Quem será dessa vez. Entediada

Eram de Antonio.

Fiquei surpresa, liguei na mesma hora para a floricultura e perguntei quem havia mandado, não havia bilhetes. A atendente respondeu que um homem havia deixado pago para que fossem entregues flores brancas todas as segundas-feiras.

Pagou em dinheiro, não quis deixar o nome.

E foi assim que Antonio sumiu da minha vida. Eu quis brincar com ele, me divertir e o que aconteceu? Nunca o esquecerei aonde quer que ele esteja.

Vênus

7 comentários:

Anônimo disse...

Vc tem dotes de escritora. Continue assim. Parabéns e abraços...
POETA DE MARTE

Anônimo disse...

Será mesmo um Conto, ou será uma História baseada em fatos reais???!!! Rsss Um texto muito intrigante com suspense e um pouco de humor. Ótima mistura! Se esse Antônio tivesse mesmo existido e agido assim, poderíamos denominá-lo psicopata, hein???!!! Rss Parabéns! Beijos com carinho!!!

Vannessa Adriana Butterfly

Anônimo disse...

Parabéns pelo seu conto. Mas se a história fosse verdade, é o seguinte: Ninguém é obrigado a ficar com uma pessoa se não desejar de verdade. Ninguém é obrigado a ficar com o outro por pena, por insistência. Este Antonio poderia ter reconquistado o coração da amada tomando outras atitudes.

MARINA GENTILE

A. Mandel disse...

Como todos os contos, este traz uma atmosfera feminina, falsamente frágil, arreganhadamente fatal, que tal como a folha que cede á neve, faz-se passiva para que a própria libido do incauto o leve ao chão.
Não, não é ela que é má e perversa, mas aquele que quer ter o que não vai ter, que afoga-se em seus desejos desmedidos, e torna-se o astro efêmero de uma eterna dama que não nasceu pra ser amada...uma vez apenas, mas sempre em cada conto, em cada imaginação iluminada por vênus.

Luis Gustavo disse...

Que texto lindo Nane. Olha senti-me como se tivesse levado um tapa na cara. E sabes bm pq.... o texto é surpreendente qdo temos no começo uma aura totalmente sensual e depois evolui para um clima mórbido no fim, achei interessante essa intercalação de estilos... um fim surpreendente!
p.s: adorei o momento solo dela: bela morena (lembrou uma amiga minha.
Exploraste bem a personagem, uma legítima sedutora, que engana os homens, que se acham sedutores natos, alguns conseguem. E conseguiste passar todo o contexto, qdo um sedutor cai na prórpia armadilha (meu maior medo). Mas acredito que ela poderia ter se apaixonado maiss cedo pelo Antonio. Mas todo o enredo foi foi bem arquitetado....

Inez Alvarez disse...

Adoro seus contos Nane. E percebi que tenho que escolher certos momentos para ler pois o mais gostoso é se deixar envolver por eles. Adoro qdo consigo me sentir a personagem de seu conto. Vc conegue fazer isso com uma facilidade incrível.

Bjsssss linda

But I Must Confess disse...

nane que conto maravilhoso, prende totalmente a atençao do leitor, uma situaçao que acontecem todos os dias, conquistar uma pessoa para nao ama-la é algo crueu, frio, e sem sentimento algum, só damos valor, depois que perdemos aquilo que nos poderia fazer bem, mas tambem, tem situaçoes, em que a gente nao quer gostar da pessoa, com medo de algo.


ta de parabens nane, unico e perfeito