13 de nov de 2006

Amar-te




No prisma
refletido
no corpo espelhado
sem máscaras
abre os braços
no mais perfeito
enlace

Vibrando no ar

Leve

No mais alto silêncio
fechando os olhos
sentindo o corpo
num ângulo louco
serpenteado
lançado no espaço
como borboleta
presa no infinito

Perdida

Contida

Solta

No imenso
vazio
do caos...

Nenhum comentário: